Revista Marxismo Vivo – Português N° 17

No dia 3 de setembro deste ano se completam 70 anos de fundação da IV Internacional, que estabeleceu em seu programa o diagnóstico e a tarefa de toda uma etapa:

Os requisitos previos objetivos para a revolução proletária não só estão maduros; começam a apodrecer. Sem uma revolução socialista no período histó rico imediato toda a civilização humana estará ameaçada por uma catástrofe. Tudo depende agora do proletariado, e principalmente de sua vanguardare volucionaria. A crise histórica da humanidade se reduz à crise da direção

revolucionária” A IV Internacional foi fundada justamente para superar essa contradição por meio da construção da direção revolucionária do proletariado em ámbito mundial. No entanto, a nova Internacional não conseguiu cumprir seu objetivo O poderoso aparato stalinista não só impediu que ela se transformasse nessa direção, como acabou destruindo-a como embrião dessa direção.

Esse resultado da história não demonstrou a vigência do stalinismo e o fracasso do trotskismo. Pelo contrário. A história mostrou, tal como dizia o programa de fundação da IV Internacional, que sem revolução socialista triunfante “…toda a cilização humana estará ameaçada por uma catástrofe.” Isto era verdadeiro em 1938 e é muito mais em 2008.

Por outro lado, a história também mostrou que o prognóstico da IV Inter nacional em relação à direção stalinista era verdadeiro. Se essa direção continuasse à frente dos Estados operários, este caminhariam, inevitavelmente, rumo à restauração do capitalismo.

Infelizmente esse prognóstico da IV Internacional se cumpriu. A restauração do capitalismo nos ex-Estados operários ocorreu e uma das maiores conquistas da história do movimento operário se perdeu. Mas dessa vez o stalinismo pagou caro por sua traição: as massas, com suas mobilizações, derrubaram a maioria dos governos que encabeçaram a restauração e, com eles, derrubaram o aparato stalinista.

Dessa forma, a batalha por construir ou, nesse caso, reconstruir) a IV Internacional começou a ser travada em um novo patamar. Não porque a tare fa tenha se tornado fácil, ou porque não tenha que enfrentar inimigos poderosos, mas porque agora não tem que enfrentar o mais poderoso desses inimigos: o aparato stalinista, que extraía sua força e autoridade dos ex-Estados operários, da usurpação das conquistas da revolução.

Hoje, na etapa aberta a partir da queda do Muro de Berlim, pode ser detectada uma série notável de sintomas que indicam a existência de um incipien. te mas importante processo de reorganização revolucionária, que é necessário orientar em direção à reconstrução da IV Internacional. Esse é o desafio que a história coloca diante de nós.

Nesta nova edição de Marxismo Vivo, dedicada centralmente à IV Internacional, queremos resgatar a sua história, seus critérios de construção, seu programa e as propostas para a sua reconstrução no momento atual. Com isso, não estamos fazendo uma simples homenagem aos 70 anos de sua fundação, mas, com esta edição, estamos manifestando nosso compromisso militante com a tarefa iniciada por Leon Trotsky na década de 30. E o compromisso militante daqueles que consideram que sem uma direção revolucionária em ámbito mundial, o socialismo e o comunismo não passam de uma bela utopia

 


Tags: